Notícias Astral

Você sabe o que é Capina Química?

A Capina Química, também chamado de saneamento vegetal, se faz necessário conforme entendimento legal e local, quanto a sua necessidade em ambientes urbanos e especificamente nas áreas como aceiros de rodovias, ferrovias, em áreas como rede de transmissão elétrica ou de telecomunicações, as quais tal prestação de serviço é essencial, eliminando vegetações indesejadas que tragam riscos específicos à estas áreas, além para as pessoas que as utilizam,  como ausência de visibilidade, incêndios, acessibilidade para manutenção, acidentes como dificuldade de frenagem por composições ferroviárias e ocultação de placas de identificação em rodovias, dentre outros.

Em outras áreas em ambientes urbanos, tais como vias públicas, pátios de movimentação de cargas, indústrias petroquímicas etc. além desta vegetação que nasce de forma não desejada podendo carrear riscos de acidentes, também promovem acúmulos de resíduos e por consequência infestações de pragas e vetores, além dos demais riscos já citados anteriormente.

O cenário de fato é no mínimo perigoso, carreando riscos à saúde e a vida humana, mas ao mesmo tempo trazendo uma responsabilidade de busca de soluções éticas, legais, com tecnologia, respeito ao meio ambiente e a segurança do trabalho portanto, empresas que se prestam a esta importante atividade de prestação de serviço, devem possuir todos estes requisitos, investidos num procedimento operacional padronizado, com um responsável técnico atuante e equipes devidamente treinadas e capacitadas para melhor desenvolvimento possível desta atividade.

Esta atividade pressupõe uso de produtos herbicidas considerados Não Agrícolas (NA) e registrados pelo IBAMA, especificamente para este uso, como metodologia própria, promovendo a ação de eliminação desta vegetação indesejada de forma pontual, não afetando o meio ambiente a as pessoas que circulam neste ambiente, obviamente adotando critérios seguros de reocupação de área, além obviamente de um cronograma que pressupõe retornos periódicos ao local tratado, objetivando realizar novo tratamento local, mantendo o ambiente isento desta vegetação e evitado todos os riscos inerentes a ela.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram